Se você adora joias e tudo sobre joalheria, provavelmente, já ouviu a expressão ouro vermeil, certo?  Pois bem, o ouro vermeil é também um tipo de joia que foi inventado na frança em meados do século XVIII. Hoje em dia, muitos designers de joias respeitados no mundo todo trabalham com peças feitas em ouro vermeil. E por serem mais acessíveis, muitas vezes essas joias acabam fazendo muito sucesso. Por isso, descubra o que é ouro vermeil!

O que é ouro vermeil?

As joias como ouro vermeil realmente possuem ouro em suas composições. Porém, há um detalhe que faz toda diferença nessa composição. Diferente das peças de ouro maciço, que podem chegar a ter 24 quilates, as peças com ouro do tipo vermeil possuem outro metal nobre em sua composição.

Então para que uma joia seja considerada desse tipo ela precisa ter em sua composição a prata e o ouro como revestimento. Então o ouro do tipo vermeil é basicamente uma mistura de peça de prata.

Ouro com outras ligas metálicas

Por outro lado, as peças compostas por outros tipos de metais e apenas banhadas à ouro não podem ser nomeadas de joias de ouro tipo vermeil. Então, essas peças feitas com ligas metálicas diversas e banhadas à ouro 14 ou 18 quilates são classificadas como semijoias.

Por isso, é necessário saber dessas diferenças ao adquirir uma peça. Afinal, os acessórios feitos com prata e ouro podem ser nomeados como joias verdadeiras. Por outro lado, as peças feitas de ligas metálicas e banhadas à ouro são semijoias. Portanto, essas últimas são peças com qualidade excelente também, porém não podem ser intituladas como verdadeiras joias.

Vantagens do ouro vermeil

Então, entre as vantagens de adquirir uma peça em vermeil ouro estão o fato de se ter uma peça classificada como joia. Portanto, uma peça com uma qualidade superior e um maior tempo de duração da peça.

Entretanto, as joias desse tipo são mais caras do que as semijoias. E a vantagem é que elas são mais baratas do que as joias feitas em ouro maciço.

Além disso, outra vantagem desse tipo de ouro é que como sua composição contem apenas metais nobres como ouro e prata, as peças se tornam antialérgicas. Por isso, pessoas com alergias a níquel, cobre e outros tipos de metais não nobres, podem usar tranquilamente peças feitas em ouro vermeil.

Origem do ouro vermeil

Essa combinação de metais nobres tem como cenário de origem a França em meados de 1750. Na época a busca por adornos corporais como as joias era intensa. Afinal, a nobreza procurava demonstrar status através das peças.

Por isso, no desenvolvimento da ourivesaria, acabou-se criando um processo de douração a fogo das peças. Então, colocava-se em peças de prata uma camada de mercúrio e uma camada de ouro. Ao expor as composições ao calor intenso o mercúrio evaporava. Então, a camada de ouro presente aderia à prata originando essa combinação chamada ouro vermeil.

Porém, esse processo não era muito seguro por conta da presença do mercúrio. O elemento químico provocava cegueira em muitos dos artesãos que ficavam em contato com seu vapor. Por isso, em 1800, ainda na França, esse tipo de processo foi proibido. Então, hoje em dia, a confecção dessa combinação de metais nobres é feito através de um processo eletrolítico.

Critérios de classificação

Para uma peça ser considerada vermeil é necessário que ela siga alguns critérios. Então, os critérios de classificação são:

  • A prata não pode ter outros metais em sua composição. Por isso, deve ser a prata de lei com o maior grau de pureza.
  • O ouro deve ter pelo menos 10 quilates
  • Além disso, o ouro deve ter pelo menos 2,5 mícron de espessura

Então, essas são algumas das características desse tipo de ouro que já existe há bastante tempo, mas que vem ganhando cada vez mais popularidade entre pessoas amantes de joias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *